Começando minha história.



Fome do caramba.
Madrugada, cheio de vontade de encher a pança.A úlitma coisa gostosa que me lembro ter comido era do frango xadrex que comi na sexta-feira, no “horário de almoço”da rádio que ajudo.Bem, eu gerencio uma lan house, mas por enquanto não tô ganhando nada a não ser uma parte da féria que recebo.Cês sabem: lan house é um local cheio de micros, capitaneado por uma ou mais pessoas.Elas pagam um tempo pra fciarem na net.1 hora lá são R$ 2,00.Meia são RS 1,00.E quando vem gente, é uma alegria pra mim, porque eu sempre fico com a metade da grana.Melhor que enganar as pessoas.O Rio sempre fica cheio de imigrantes.Eles sempre vinham nas festas de fim de ano e Carnaval, mas agora estão praticamente o ano todo.Eu sou meio bairrista, não tolero muito, de início.Depois fico amigo, como aconteceu com um grupo de estudantes franceses ano retrasado.Até hoje falo com uma amiga francesa pelo msn.Blá, blá, blá.
Estou varando a noite no computador, aproveitei para ver alguns animes.Segunda eu vou entrar em contato com algumas pessoas que lidam com quadrinhos e livros.Vou começar a minha hitsória do começo, as coisas estavam meio emboladas aqui…que fomeeeee….
——————————————————————

Eu sou carioca, atualmente tenho 22 anos, mas nasci no Hospital Miguel Couto, no Leblon.Era o ano de 1983, dia 2 de novembro, o que todo mundo fica temendo como sendo o Dia de Finados.Nunca me importei com isso, aliás eu nunca fui supersticioso.Daí quando eu falava que nascia nesta data, as senhoras se enchiam de espanto.Desnecessariamente, mas vá dizer isso pra elas, totalmente supersticiosas?Até aquela época eu não era gago, só adquiri isso uns anos depois e de uma forma bem traumatizante.Naquele tempo eu era bem fantasioso, ainda cultivava minha criatividade, gostava de interpretar heróis de desenhos animados que passavam no programa Xou da Xuxa, na Tv Globo.Eu assistia ao He-Man, a She-Ra e interpretava a She-Ra!Obviamente um amigo me dizia que eu era mulherzinha.Até hoje rio muito com isso.Meu pai ainda vivia com a minha mãe, tínhamos uma vida confortável, apesar de morarmos na Rocinha.Morávamos numa parte da favela chamada “Rua 4”, uma parte mais calma.Meu jardim de infância ficava há 50 metros de casa, ainda me lembro das fotos que tirei na festa junina(era emburrado desde aquela época e mais alto que os outros alunos), e de outras celebrações.Ainda me lembro do gosto de papinha, até hoje.Eu nunca me dei bem com papinha.Comia quando realmente não tinha nada pra comer, mas isso quando eu estava ficando grande.Meus pais brigavam perto de mim, se xingavam, chegavam a bater um no outro.Um dia eu estava andando com eles na rua quando eles saíram na porrada só por causa de um biscoito da marca Piraquê, aquele antigo “Presuntinho”…rasgaram a embalagem e eu fiquei chorando pra caramba.Em outra briga quebraram o aparelho de som de casa, a televisão.Meu pai gostava de usar drogas, mas era forte, era trabalhador, apreciava um trabalho pesado.Ele era tudo o que eu não sou agora.Agora sou magrelo, desempregado e sei fazer pouquíssimas coisas.Tudo no ramo administrativo.Fora disso, sei varrer, lavar(claro, porra)…se pintasse um emprego de auxiliar de serviços gerais eu não pensaria duas vezes.Eu não sou nenhum rico pra esbanjar dinheiro.Tu tinha poucos amigos.Me lembro de um chamado Marcelo, em que inclusive participou da minha festa de aniversário em 1984, em que tudo estava enfeitado de figuras do He Man.Eu ainda me lembro que vestia uma blusa rosa florida, e segurava uma espada de brinquedo.Vieram os meus amigos de jardim de infância e os amigos dos meus pais.

Quando criança eu ia na casa da minha “avó” Esmeralda.Ficava em um local diferente da favela chamado Cidade Nova.E sempre dava de cara com o filho dela, um tal de Zé, que eu nunca falava, mas ele não gostava de mim e nem da minha família.Os motivos eu não sei até hoje.Eu tinha tempo marcado pra permanecer lá, porque o tal do Zé não gostava.E a Esmeralda sempre se submetia às “ordens”dele, talvez se eles estiverem morando juntos até hoje ainda estejam nessa situação.A casa era uma grande, branca, de madeira.Meu pai arrumava tretas com um homem chamado Mário, que morava perto da nossa casa(ela ficava acima de uma escadaria que leva à localidade Rua 4).O meu pai gostava muito de samba e pagode.Me levou muito à praia de São Conrado, a única coisa que me atormentava nos anos 80 eram as músicas, infantilóides demais.Mas aquela década foi boa, se eu tivesse a mentalidade que tenho hoje poderia aproveitar muito bem.Assistia muito Xou da Xuxa enquanto algumas músicas eram realmente insuportáveis, como “London, London”, do RPM.

Um dia eu saí com meu pai e um amigo dele num Corcel vermelho(uma marca de carro extinta), pela Estrada da Grota Funda(uma estrada que leva do bairro da Barra da Tijuca até a Pedra de Guaratiba, subindo a serra).Eu estava no banco de trás, meu pai no carona e o amigo dele dirigindo.Eu nunca gostei desta marca, Corcel.O amigo do meu pai disse para eu não dormir, não sei porque motivo.Acho que o carro estava avariado, ou algo do tipo.Então ele colidiu de frente com um Fiat Uno branco, possivelmente eu fui arrancado do banco de trás e fui impulsionado pra frente, metendo a cara no vidro do carro, me deixando com uma grande ferida na testa.Eu acordei alguns minutos depois, eu estava no colo do meu pai, o amigo dele estava desmaiado(ou morto, não me lembro), de cara no chão, enquanto meu pai sofreu apenas umas escoriações na perna.Eu fiquei chorando e falando: “papai, papai!!”enquanto o sangue jorrava da minha testa.Foi uma pena eu não ter morrido naquele dia, mas fazer o quê se Deus não quis…é uma das amostras de que ele é piedoso e blá, blá, blá.

Fui submetido a uma cirurgia, eu tive traumatismo craniano e provavelmente foi isso que me deixou com a gagueira totalmente acentuada que tenho até hoje.Meu pai avisou o ocorrido pra minha mãe, o que agravou mais a crise familiar.As coisas estavam fora do controle.Daí, alguns anos depois eu “voltei ao normal”, com uma cicatriz enorme(mas não tão visível)na testa, que carrego até hoje.Meu pai foi embora para a Cidade de Deus e minha mãe permaneceu na Rocinha, o que só deu o início do seu fracasso como humana.

Mas só depois eu começaria a fugir de casa, mas isso eu digo outro dia.

Anúncios

3 comentários sobre “Começando minha história.

  1. Min4ko disse:

    Nossa vendo essa porção de batatas fritas me deu vontade de comer umas … pena q não to podendo!!! nada de fritura por enquanto…! Mas em fim só vim dar uma bisoiada msm!Tenha uma ótima semana!=*

  2. Anônimo disse:

    hey hey eu tb nasci em novembro*-*+ sei la eu tbm num me importo com esse negocio di siuperstiçao num axo bobeira msm num sabia q vc era gago x.xsinto muitobom..eh issoxauzin bjks xDD

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s