Segundo Semestre.

Como eu já poderia prever, a formatura não foi lá estas coisas. Furtaram o guarda-chuva da minha madrinha. “Dei mole”, disse ela. Não deu. O problema é que não saberíamos que aquela galera favelada poderia chegar a este ponto. Se bem que eu poderia prever isso, eles eram capazes de sair na porrada por causa de lanche (como já provaram várias vezes, na hora do intervalo escolar). Gente que se alimenta bem e acha que tem direito de brigar por causa de um copinho de guaraná natural e um bolo (ou um pacotinho de biscoito). Vi que um dos moleques mais arruaceiros da escola ganhou uma medalha…mas ele aparecia todo dia, apesar de ficar sempre do lado no corredor ou no pátio da escola jogando conversa fora e coçando o saco. Ou a medalha foi merecida com uma junção disso com o puxa-saquismo. Gente que não queria nada mas fazia questão de zoar a aula alheia e de fazer amizades com a piranha mais próxima. Claro que é problema deles e eu apenas estou dando uma de candinha fofoqueira. A menina que eu nutria uma empatia não veio (algo que eu deveria prever, também, já que ela pouco participava das aulas). Pensei que a formatura seria num galpão, em um ginásio, mas era em uma sala não muito grande do SESI de Ramos. E começa mais uma etapa da minha vida. E finalmente deixarei de ver o pessoal irritante e arruaceiro.

Dia frio pra caramba. Fora a formatura, achei que a situação seria normal, hoje. Soube que terei de ficar pouco tempo no abrigo, e que eu deveria procurar outro lugar para morar. Minha mãe? Nah. Ela disse que eu voltaria pra casa só se arrumar um trampo, mas fazem 3 anos que ela disse isso. Eu também não seria cara de pau de retornar para a casa com o rabo entre as pernas e sem trabalho fixo. O trabalhinho na lan não significa NADA.

O problema da minha família é o seguinte: Eles ficam um tempão sem te ver e quando voltam a vê-lo, te tratam bem, conversinha gostosa, comida, uma boa recepção. Passados alguns dias, começam a te tratar mal, jogam suas frustrações em cima de você (principalmente quando ela (e) retorna do trampo) e te mandam indiretas a fim de te instigar a discutir.

Eu me aborreço fácil, mas é muito raro um “piti”. Mesmo. E eu raramente costumo gritar, sou um sujeito reservado, raramente zôo as pessoas (e nem sinto prazer em fazer isso). Reservado, mas não tímido. Tem gente que confunde os termos. Meus tios tomaram um chá de sumiço há anos, me lembro que um deles prometeu morar comigo em Araruama (litoral fluminense), mas não cumpriu. Eu poderia saber que aconteceria isso, pois ele já é expert em magoar as pessoas. Magoou sua própria esposa. A única mulher de fibra na minha família é minha tia. “Mas, por quê você não mora com ela?”. Eu odeio injustiças e creio que não iria aturar todo mês um miliciano filho da puta bater na porta da casa dela pra cobrar a “mensalidade” de 10 pilas. Vai tomar no cu. Eu não machuco animais – principalmente gatos, que adoro – , mas machucaria um homem sem pestanejar. Me lembro quando fui “apresentado” por um miliciano pela minha tia, já que eu não poderia entrar e sair da favela a meu bel-prazer: cara de bandido, de gente filha da puta, mesmo. Eu só visito minha tia no Natal e Ano Novo, quando ponho minha cara de pau e vou comer BEM e dormir quentinho. Antigamente o local era dominado pelo Comando Vermelho, mas eles foram expulsos pela milícia. Se eu fosse criminoso, seria CV, mas felizmente estou agindo pelo lado bondoso da força, huhehehe.

O que falta na minha família é união e fibra, muita fibra. São completamente egoístas e não estão nem aí pros outros parentes. Se eles se importam, não os visitam nem nada. Lembro da minha tia me dizendo: “Só meu sobrinho (eu) se lembra de mim”. É complicado, mas é assim.
É totalmente inviável ir pra minha mãe.
Quando eu estiver no ensino superior, vou ver se procuro uma faculdade fora desta cidade, já que eu não gosto daqui.

O meu humor age sincronizado com o tempo.
Hoje, tá “ruim”.

Aliás, por quê obrigatoriamente “tempo ruim”é chuva e “tempo bom” é ensolarado?

Olha:

Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Ei, Wiccan.
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
oes
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
no moemnto estou ocupado
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Cê tem algum problema comigo ou algo parecido?
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
nem sei quem ser vc
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Van gogh.
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
mas no momento estou cupado
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
O pedofilo?
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
ok
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Cê tem provas de eu ser pedófilo?
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
porque naum se defende la no mbb e prova que naum é
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
E eu lá tenho que provar algo pra malaco que nem me conhece na vida real?
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
ok
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Eu estou querendo saber se VC TEM provas.
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
entaum fica ssim, pra todos nos , vc é pedofilo
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
e naum tenho tempo pra discutir com esse tipo de pessoas
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
o dia que vc provar que naum é
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
por exemplo quando responder quantos anos tem a meninas
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
a gente conversa
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Novamente digo, vc é algo meu?
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Vc já me ajudou em algo ou me viu pessoalmente?
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Então, meu filho, vc só está indo na cabeça dos outros.
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
O que só te faz um ridículo.
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
estou indo pelas fotos e atitudes meu filho
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Ué, o que as fotos têm a ver?
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
quaqntos anos tem a menina?
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
16.
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
E aí?
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
e vc?
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
23.
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
hauahuah
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
e ai?
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Eu sou pedófilo?:
[c=39]Billy Kaplan – NOVO NUMERO :91643564[/c] diz:
vai te internar
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Eu sou pedófilo?
Peter Petrelli [ Infelicidade é necessária ] diz:
Além de ser bicha, é ignorante.

Não foi possível entregar a seguinte mensagem:
Além de ser bicha, é ignorante.

_________________________________________
Isso por si só já resume a mente de alguns usuários do fórum MBB, o maior fórum de quadrinhos do Brasil.
Nego consegue ser tão ridículo sendo maria-vai-com-as-outras, chamando os outros de isso e aquilo sem ter a menor prova. Meu avatar no fórum era de crianças, mas eu simplesmente era fã delas: Dakota Fanning e a brasileira Carolina Oliveira, que fez “Hoje é dia de Maria”. Sou apenas isso…fã. Não sinto desejo sexual por crianças ou algo do tipo. Se eu sentisse um amor por estas crianças, seria paternal ou amor de amigo. Então, eu creio que tenham o mínimo de decência em não falarem merdas sem provas. Mas, não adianta, já que o pessoal criou sua opinião formada.
“Ah, mas eles tão apenas brincando”. Já é a segunda pessoa do MBB que parece falar sério quanto ao que acha de mim (ou parece muito). Mas, tô tranquilo, já que ninguém me ajuda em porra nenhuma na vida.

Quando a pessoa é solitária, mal faz contato humano e fica em uma situação ruim com as pessoas a ponto de falar que elas são isso e aquilo (quase sempre descambando para a generalização), nem é necessário dizer que ela precisa muito de alguém. Aliás, precisa mais dos outros do que algumas pessoas precisam dos outros. Em um tempo onde as outras pessoas usam as outras sem pestanejar, esta pessoa solitária seria como um tesouro em um imenso mar. E essa pessoa solitária não é valorizada, ela tem o dom de atrair pessoas que não a merecem, o que praticamente são a maioria. E ela arruma uma amiga e confidente, porém, ela mora em outro estado. Após muita conversa pelo MSN, pretendem se encontrar, mas adiam. Quando se encontram, a vida da pessoa que saiu de outro estado para vê-la se torna instantaneamente um paraíso, próximo a outra pessoa, extremamente carinhosa. E é um carinho arrebatador, capaz de desmanchar a pessoa solitária que estava completamente desacostumada a carinhos, mãos dadas e abraços. Anteriormente, em suas antigas amizades, estas foram desfeitas a ponto de nem começar, justamente por suas recusas a beijinhos e abraços em cumprimentos. Ela tinha amadurecido, ainda mais que precisava não fazer feio perante a amiga. Precisava agir naturalmente, a pessoa solitária ADORAVA esta amiga acima de qualquer outra amiga que teve na vida, a ponto de declarar que estava realmente apaixonada por esta. Era um amor de amigo ou de namorado? Abraçar uma pessoa é tão bom, tão reconfortante, tão quentinho…o amor que você dá e recebe é uma das coisas mais gratificantes existentes neste mundo. Qualquer tipo de amor. A pessoa solitária tinha muito amor pra dar, mas se tornou uma pessoa passiva perante à dedicação de sua amiga carinhosa, gentil e feliz. Era para se achar pequena perante essa amiga? Não, estava apenas mal-acostumada com ela. Ela te fez feliz, seu interesse por ela aumentou uns 100%, finalmente, você havia encontrado uma pessoa “digna” de você. E essa menina limpa o chão com as outras (poucas) que passaram em sua vida.

Você dormiu na rua por ela.
Você pulou de cidade em cidade por ela.
Você passou frio por ela.
Você levaria um tiro e uma surra por ela.

Mas claro, você não poderia se jogar de cabeça nisso. Sabe que ela tem alguém. Você sempre odiou os namorados de suas amigas. Chatos, só falavam merda e piadas sem-graça. Você se acha melhor que ele? Ou você acha que ele não merece ela mais do que você? Em quê você é melhor que ele? Só o fato de você morar em outro estado, seria complicado para marcar encontros…mensais, bimestrais…
“Volto em agosto”, a pessoa solitária disse. “Por você, eu sempre virei pra cá”.

Mas, vá com calma.

Você ficou tão em paz e extasiada com o carinho arrebatador que poderia estar se deixando levar por isso, como uma criança que se apaixona pela primeira vez. Não seria burro o bastante de se levar pela emoção. E você não é burro o bastante para isso. Não se deslumbre, tanto.

Em agosto, você volta para a pessoa que ama.

E ontem, essa pessoa solitária ficou depressiva e quase chorou, como um emo.
Huhehehehe.

E o presente do Dia dos Namorados foi um “toco”que eu dei. Um “toco” antecipado, já que ainda não tinha começado nada. A única coisa que começou foi a frustração, que não deu sinais de afastamento. É como se ela me adorasse, mas mesmo assim, eu a detesto. Ninguém gosta de frustrações (só os masoquistas), mas isso poderia ser evitado. Se eu não fosse tão burro…

Eu nunca gostei de dias inúteis, como este 12 de junho. Sempre achei que dias inúteis como esse eram uma grande perda de tempo. “Ah, mas é porque você não tem…”, não, não é isso. É porque simplesmente, é uma chatice. A Mídia (que está errada na maioria das vezes) dá vazão a este dia, prefere falar mais do Dia das Mães que do Dia dos Pais – o que eu acho errado -, e todo mundo segue a manada, como se fossem um bando de zumbis. Já não bastam os zumbis instalados na Igreja Universal?

Eu sempre me acostumei a dar presente aos outros, a tomar a iniciativa, a visitar as pessoas que eu gosto (e amo), mas nem sempre eu recebo aquele feedback necessário. É como se a pessoa não se importasse com a relação da mesma forma que você. Aí, está lá você, faz um esforço danado para ver e falar com aquela pessoa (porque conversas no MSN enchem o saco, em demasia). O ouro que você dá é trocado por prata, ou bronze. Perde o valor. Mas, são coisas da vida, porém, cê não é obrigado a se acostumar com isso.

Eu sou jovem, mas reclamo pra caralho do comportamento dos jovens de hoje. Claro que a vida é deles e nem todos seguem esta cartilha, mas a partir do momento que eles tratam os mais velhos com desdém, os chamando de “bando de velhos”, eu me dou o direito de espinafrá-los. Meninas que gostam de chamar a atenção dos outros gritando, fazendo gestinhos bruscos, e gargalhando alto é do tipo que dificilmente ganharia meu respeito. “Ah, mas esse é o jeito deles! Quando eles crescerem, irão amadurecer!”, alguém me diz. Ok, mas quem é obrigado a aturar isso de desconhecidos?

A menina bonitinha lá prefere o sujeito bonitinho ali porque ele é bonito. Normal. Mas, qual seria o motivo dela para escolhê=lo?

– Ué, ele é bonito.

– Mas…você escolheu ele só por isso?

– É, ué. Qual é o problema?

– Ele parece ser um cara de bom-caráter?

– Parece.

– Por quê parece? Porque ele é bonito?

-…É!

Hhahaha.

Não adianta uma pessoa dizer que não faz isso, que não faria aquilo se ela não mostrar na prática. Às vezes, eu caio nessa, falo que não faria isso e aquilo, mas se houver uma oportunidade, sempre quero mostrar na prática. O problema das pessoas é o medo ou a falta de dedicação. Outra, quando a pessoa te fala: “oi, gata” ou “oi, gato”, automaticamente, ela está tachando a si mesma de fútil. Claro que não está escrito em lugar algum que a pessoa é fútil só por isso, mas é apenas uma amostra da série de bostas que a pessoa mostraria.

“Ai, você é um sujeito radical e muito amargurado”.

É complicado dizer que eu sou radical apenas por pensar diferente da maioria das pessoas. Claro que se eu seguisse a manada, eu poderia me dar bem, mas não adianta a pessoa se dar bem em algo que ela se sente desconfortável. É a mesma coisa de trabalhar em um lugar que você não se sente bem. Se eu sou radical por pensar assim – segundo essas pessoas – então, as pessoas que elas conviveram a maior parte do tempo foram passivas, conformistas e dependentes.

E as situações me fizeram ser amargurado. Eu ajudei, a vida ajudou a ser assim.
Daí, no encontro na praçinha, embora ela tenha se decepcionado, queria me dar uma marmita, já que soube por mim que eu não me alimento bem. E eu recusei.
Às vezes, eu tenho a arte de ser um hijo de puta.
Não consegui chorar, naquela hora, mas eu quis.