[R.I.P] Daisuke dies!

Nota do site oficial do the studs

Para os fãs e afiliados,
.
Nós sentimos informar a todos os fãs e afiliados que Daisuke faleceu em 15 de julho de 2010.
Em respeito aos desejos da familia, o cortejo fúnebre acontecerá apenas com os seus parentes mais próximos.
Nós agradecemos por todo o seu apoio ao Daisuke até agora. As nossas remotas e sinceras condolências vão para todos.

Segundo o site oficial da banda The Studs, Ochida Daisuke, seu vocalista, ex-vocalista da banda Kagerou e ex-baterista da banda Fatima faleceu no dia 15 deste mês, encontrado por um amigo em seu apartamento no bairro de Shibuya, Tokyo. Por enquanto ninguém sabe se foi acidental ou suicídio. Segundo o blog Holiday (um blog onde só os artistas postam, incluindo o staff dos Studs), um membro da equipe da gravadora disse: “Um álbum seria lançado depois do novo single no outono. Também havia planos para uma turnê européia esse ano. Nós também conseguimos uma oferta para fazer um show na América…” Entretanto, ontem à noite, depois de um encontro sobre os futuros lançamentos, turnê internacional e as atividades musicais futuras de Daisuke, ele aparentemente disse aos outros que não estava conseguindo dormir, e depois de voltar para casa, deve ter tomado uma dose grande de tranquilizantes de álcool. Um amigo que ficou preocupado depois de não ter conseguido entrar em contato com Daisuke, foi visitá-lo em sua casa às 2:00am do dia 15, e o encontrou morto.

Daisuke já tinha perdido parte dos integrantes do The Studs em pouco tempo de banda, com a destituição dos membros Yukino (baixo) e Hibiki (batera), restando apenas ele e aie, ex-guitarrista da banda Deadman. O Studs angariava um relativo sucesso, em parte pelo conhecimento dos trabalhos anteriores de Daisuke e aie, mas com uma sonoridade um tanto inferior à banda Kagerou (que ilustra este post). Daisuke, 32 anos, tinha em Kagerou seu melhor projeto, fazendo 7 anos de estrada com 3 membros de personalidades, jeitos bem distintos. O excêntrico Yuana (guitarra), que após o fim da banda bandeou-se para fazer parte de Boogieman, o reservado Kazu (baixo) e o alegre Shizumi (bateria). Fizeram 5 álbuns e um “greatest hits” e já demonstravam sinais de cansaço com o último, “Kurohata”, em julho de 2006. Terminaram o conjunto em janeiro de 2007.

Kagerou pairava entre os estilos heavy metal e indie rock. Poucas eram as baladinhas. As performances da banda no palco (especialmente Daisuke e Yuana, o primeiro adorava beber água mineiral e jogá-la em si e na platéia, e o segundo agia ora como uma menina, ora como um moleque sapeca) ofereciam um entretenimento coberto de loucura (na fase em que a banda ainda abraçava o estilo Visual Kei, em que bandas japonesas vestem-se de roupas extravagantes) e diversão. Com o tempo Kagerou trocou as vestes bizarras pelos terninhos e a qualidade musical caiu aos poucos, dando ênfase em versos amorosos, desmoronando no “mais do mesmo”.

Após o término dos Studs, Daisuke apresentou um projeto solo denominado Daisuke to Kuro no Injatachi. Voltando à sua morte, já se sabia que ele sofria de complicações cardíacas, tanto que o termo “Kagerou” fazia menção direta à libélula, inseto de vida efêmera.

Sua voz era única e original. Também era bem relacionado no mundo do rock japonês, sendo amigo de vocalistas como Kyo (do Dir en Grey) e Tatsurou (MUCC, do mesmo estilo de Kagerou, eroguro kei, caracterizado em deixar o integrante feio e rebelde). Miku, vocalista da banda oshare kei (caracterizado por vestimentas infantis) AnCafe, era seu fã. O falecimento de Daisuke deixara um rombo imenso no rock japonês, infelizmente representado em sua atualidade por trocentas bandas repetitivas e longe da originalidade. Kagerou, seu melhor trabalho, era a banda que poderia ganhar o mundo e que (in)felizmente amargara um sucesso pífio no exterior. Mas, pelo menos sua parte ele e os demais integrantes fizeram.
Kagerou. Da esquerda para a direita: Daisuke (vocal), Yuana (guitarra), Shizumi (bateria) e Kazu (baixo).



















First Trailer of "Let Me In".

Há meses falamos sobre a possibilidade de o cultuado filme sueco de terror e drama “Let The Right One In” ganhar uma versão hollywoodiana. Bom, não só este blog, mas algumas revistas de variedades e cinema também andaram comentando, postamos capa e tudo mais. Tratei de ficar abismado com o elenco escolhido e o diretor. Temos aqui o pau mandado Matt Reeves (de “Cloverfield”) e os atores Kodi Smit-McPhee e Chloe Moretz no papel de Oskar e Eli, ops, digo, Owen e Abby. É certo que os pedófilos de plantão (e até quem não é) apaixonados pela Hit Girl (o papel mais notável da carreira de Chloe) em “Kick Ass” ficarão derretidos pelas cenas carinhosas entre a vampira e o moleque, o que é bem previsível. Já a maioria fã do original assistirá “de raiva”, catando semelhanças entre o filme sueco e sua versão estadunidense. Sendo o que são é possível dos yankees estarem dispostos a amaciar a violência do filme e é até provável da vagina mutilada da personagem de Chloe Moretz não aparecer em cena. Sendo assim, o que vai sobrar deste filme? Com toda a certeza, não fará tanto sucesso quanto o primeiro.