Brasil 4 x 1 Estados Unidos

Oh… não há nada para comemorar diante dum resultado destes. Não apenas pela palavra “amistoso” querer dizer alguma coisa, mas também porque essa seleção é tremendamente inconstante. Provou isso uma dúzia de vezes. Além do mais, tem na frente um dos atacantes mais forçados de todos os tempos. Neste jogo ele correu atrás da bola e fez pouca firula, e os Estados Unidos basicamente passava a impressão de seleção da Copa 2010 (aquela insossa e pálida competição), o anteriormente celebrado Donovan estava lá e fez pouco em cena. Convenhamos que os EUA chegaram relativamente longe na Copa porque a maioria esmagadora das seleções não rendia tão bom futebol (incluindo a vencedora Espanha), com resultados magros e jogos soporíferos. Claro que a coisa só melhorou na Segunda Fase, o que não deixou de atribuir à Copa 2010 a pecha de copa mais chata de todos os tempos.

Continuar lendo

Dia do Orgulho Nerd

Não querendo ser chato, mas já sendo, estava dando uma lida nos jornais nesta manhã – como sempre eles chupando o saco do Santos Futebol Clube – até que deparei-me com o inevitável: notícias sobre o Dia do Orgulho Nerd. Então pensei: “Certeza que essa merda foi implementada há pouco tempo”, dei uma olhada na Wikipedia confirmação. Tá, se inspiraram em dias homenageando as obras do Douglas Adams e o Star Wars, mas Dia do Orgulho Nerd mesmo foi gerado há poucos anos. Se fosse favorável a mais esta mostra de que os tempos mudaram eu nem estaria encrencando com isso, claro. Vale mais a pena celebrar esta porcaria que choramingar, certo? Errado. O melhor é ficar de bico calado. Mas como eu não resisto, vamos lá fazer uma reflexãozinha porca.  Continuar lendo

[The New 52] Red Lanterns e a obsessão do Benes

Nunca fui tanto de ler quadrinhos da DC Comics, editora dos ícones Batman e Superman, mas de uns anos para cá terminei dando atenção em certos títulos, como Lanterna Verde, o que até pouco tempo era impensável para mim. Eu não lia mais o Homem Aranha do universo comum da Marvel (o 616), apenas o outro universo, o Ultimate, criado no século passado a fim de dar uma nova roupagem – e nova opção – sem soterrar o universo que até quem não é fã de gibi conhece. E confesso a vocês que demorou bastante para eu estar “reincorporado” nos quadrinhos estadunidenses, pois passei bom tempo lendo só mangá, participando dos grupos de fãs (pelo qual só valia a pena por conta das garotas gostosinhas) e depois saí, “larguei as drogas”, os eventos de anime, o hábito de vestir fantasias (cosplay) e fiquei na minha. Eu colecionava quadrinhos estadunidenses de super-heróis quando criança (por isso o “reincorporado” agora), Hulk, Homem-Aranha e etc. Hoje eu estou lendo as duas maiores editoras, Marvel e DC, e aproveitarei o espaço deste blog furreca para falar mais sobre elas.