Bestialidade

“Bestialidade” é a palavra certa para definir os acontecimentos dessa semana – ou melhor, O acontecimento -, envolvendo o maior clube de futebol de São Paulo e um dos maiores do Brasil, o Corinthians Paulista. Também é o momento certo para fazer algumas comparações, porque, para incutir um pouco de sadismo (e para muitos, dor de cotovelo, não é meu caso) podemos dizer, sem medo de ser feliz, que nunca se viu uma torcida mais irritante e favelada que esta. Bom, “favelado” é um adjetivo também cabível ao meu clube de futebol do coração, o Flamengo, mas, enfiando mais uma vez as comparações, comparem as duas torcidas, as maiores do Brasil. Comparem justamente este comportamento “vida loka” que se inicia no “é nóis, mano”, passa pela vestimenta e conclui… no time que torce. Não obstante ser uma característica de conhecimento geral, se podia parar por aí, todos sabem como se comportam os corinthianos. O problema é que de qualquer modo somos soterrados por toda esta manifestação gostosa de amor ao clube.

Em todo lugar. Não temos mais o que falar. Se bobear passaremos semanas enchendo o saco alheio nos vangloriando da vitória do Coringão em cima do Chelsea, nos sagrando (ênfase no “NOS”) bi-campeões mundiais, Cássio defende pra caramba, Guerrero é foda, AQUI É CORINTHIANS! SOMOS UM BANDO DE LOUCOS! LOUCOS POR TI, CORINTHIANS!

Com toda a franqueza, esse amor ao time é automaticamente hilário. Não é paixão, é amor de fato. Mas de tanto bater na mesma tecla, inclusive com torcedores rebocando filhos para torcer para o Coringão – algo que em meu particular acho repulsivo, mas convenhamos que em todos os times há torcedores que fazem isso… o que não deixa de ser repulsivo -, a Rede Globo (uma das maiores emissoras de Tv do mundo), que outrora não dava uma fornicação para o Corinthians, viu que divulgar dava dinheiro (Ronaldo e sua imagem associada ao clube  também ajudou bastante) e neste momento, goza e se refestela do que colheu até poucos meses atrás.

E tome participação na Retrospectiva 2012. Era o que faltava, a cereja no bolo, certo? Sempre achei que, quanto maior a expectativa, quanto maior os gritos clamando a vitória é que o objeto de adoração mereceria mais e mais se fornicar. Alguém tinha de incutir a derrota para cima do Corinthians, cai o time e cai a auto-estima da torcida, o que é bem natural. Estava impossível assistir televisão nestes últimos três dias. Aliás, o que ainda faço assistindo televisão?

Eles são bestas e eu sou masoquista, mas o grito EU SOU CORINTHIANS! ultrapassou a telinha. Quanto maior a cidade, maior é o bestialismo. O Rio de Janeiro é assim. São Paulo não seria diferente, e tal como seu jeito cosmopolita o “Corinthiano-médio” é um destes seres. Uma das bestas. Porque se esgoela, se endivida, mata, morre, oferece o pai e a mãe por conta de um time que, descaradamente financiado pelo Estado – Flamengo também passou por isso, e por longo tempo, não sejamos injustos -, não fornece UM MÍSERO REAL a estes “bandos de loucos” que de bom grado percorrem essa via-crúcis. Com o aval e fomento da Mídia, claro.

Até a próxima vitória arrasa-quarteirão. Acho que até lá já não serei meio masoquista. Nem por inteiro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s