[Man of Steel] Super-socos, super-pontapés e super-dane-se!

Ao que lembro, havia uma certa desconfiança em jogar o futuro da franquia Super-Homem no colo de Zack Snyder. Este diretor de “heróis”, considerado o mais fútil e pueril entre eles (o Nolan não trabalha com heróis, segundo o mesmo ele fez do Batman um “suspense policial”, isso é que é vergonha de trabalhar com fantasiados), mas que ao mesmo tempo trás gente aos cinemas, se mostrou uma aposta bem temerária. Não para a Warner, que aposta no escuro desde sempre e só tem êxito por sorte, porque tem gente para engolir. Mas para os fãs. Desde aquela punheta romântica de 2006 o público tem reclamado um filme decente do Super, o ícone dos super-heróis (hein?), o maior de todos (fonte?), o melhor escoteiro que já vimos (quem disse?). Cada imagem deste “Man of Steel” era ovacionada, culminando com trailers bombásticos, mas hoje em dia confiar em trailer é furada, vide Fúria de Titâs. Ainda assim parecia que finalmente teríamos o FILMAÇO que merecíamos! Já tava na hora, né?

Continuar lendo

Anúncios

Chiquititas 2013

Quem tem ou quase tem 30 anos de idade lembra da novela Chiquititas, uma versão brasileira de um sucesso argentino, exibida no SBT em 1997, que teve temporadas até cansar e que previsivelmente boa parte dos atores bandearam para a maior emissora do país e etc. Desde aqueles tempos assistia de curioso, era uma segunda via ao que considerava interessante no horário nobre – a outra eram os desenhos animados japoneses, como Yu Yu Hakusho. O “plot” vocês já sabem: aventuras de crianças e adolescentes num orfanato, desenlace amoroso entre alguns adultos, músicas, uniformes em cores vivas, toda essa tintura feliz e por aí. Então em 2013 calha da filha do todo poderoso do SBT fazer uma nova versão da versão antiga de Chiquititas. Ao invés de investir numa história com novos personagens ela pôs um remake com todos os antigos personagens, as mesmas músicas e extravasando no adocicar que em épocas passadas podia ser um exagero.

Continuar lendo