Diário do Escritor – Futuro vlog

Está difícil de escrever qualquer coisa essa semana. Até mesmo uma história paralela ao “Depois do Carnaval”, sobre uma empresa de publicidade cujo chefe vive perseguindo uma atriz pornô obesa japa, além do marginal que acaba adquirindo uma chance na firma por Quem Indica, uma funcionária gorda fã de desenhos japoneses e que é imersa na baixa auto-estima, além da outra mais magrela e indie, uma bonita metida a modelo, essas coisas.

Diário do Escritor (Parte 3 – "Depois do Carnaval")

O “Depois do Carnaval” praticamente tem meio e fim já prontos na minha cabeça, e eu meio que já estou me enchendo desta novela porque o tema em si pode até ser bem trabalhado com os mesmos problemas de uma história passada no presente (brigas, uso de drogas, problemas existenciais e etc.), mas até atingir estes momentos todo o andamento está chato, muito chato. Tanto que a minha mente começa a pipocar idéias formando outros trabalhos, outras histórias bem mais interessantes.

Continuar lendo

Diário do Escritor (Parte 2 – "Depois do Carnaval")

          Como disse no post anterior, eu estou trabalhando um livro de contos de nome “Seleção Sobrenatural”. Achei o nome imbecil, talvez eu mude. Nele constará dois contos – tá mais para duas novelas, visto que simplesmente não consigo trabalhar com contos, pois são bem curtos -, o conto futurista em que um espião de um país radical rouba um artefato valioso numa base espacial localizada na Lua, e desce aqui com ele, mas não consegue se desfazer de seu disfarce feminino, e o “Depois do Carnaval”, que considero mais importante, sobre um homem que sai do Rio e vai morar em São Paulo até que o chamam para cuidar da filha, pois haveria indícios de que sua esposa estaria louca.

Continuar lendo

Diário do Escritor

Faz um tempo que eu queria reunir todas as minhas idéias, o processo de criação de meus livros neste blog.

Nas horas vagas, neste último ano, esse desejo se reforçou quando dei uma olhada no site da editora LP&M e vi o título Diários de Jack Kerouac 1947-1952. Vocês certamente sabem quem é Jack Kerouac, On the Road, mimimi, se bem que a primeira vez que li On The Road achei uma merda ilegível Continuar lendo