Diário do Escritor

Faz um tempo que eu queria reunir todas as minhas idéias, o processo de criação de meus livros neste blog.

Nas horas vagas, neste último ano, esse desejo se reforçou quando dei uma olhada no site da editora LP&M e vi o título Diários de Jack Kerouac 1947-1952. Vocês certamente sabem quem é Jack Kerouac, On the Road, mimimi, se bem que a primeira vez que li On The Road achei uma merda ilegível, frenético como escrito por um pré-adolescente, e creio que seja até normal um desavisado que bate os olhos nesse romance à primeira vez pense assim também. É difícil acharmos um autor de um estilo de prosa tão esquizofrênico quanto o de Kerouac, e como estou acostumado a escrita convencional – suportando numa boa oscilações de diferença como nas obras de Louis-Ferdinand Céline -, joguei o livro de lado. Os personagens eram absurdamente irritantes, mas como ele praticamente não fez nada que não transpusesse o jeito real da sua galera, concluí que seus amigos eram assim mesmo. O próprio Kerouac também não era flor que se cheirasse…

“Belo começo, maldizendo o Kerouac”, você poderia dizer. “Tá querendo aparecer às custas do cara?”

De qualquer forma, eu falaria dele, que inclusive admiro a sua Duluoz Legend, seu objetivo em realizar o desejo pessoal de ter todos os seus livros, sua lenda, empilhada na prateleira, arrumadinha. Deve ser muito prazeroso ter suas obras assim, organizadas na prateleira, vendo-as com um orgulho genuíno no peito…

Se imagine um escritor com esse objetivo, com histórias pra contar, com algo pra deixar à posteridade, mas como você está no Brasil e não tem 20% da fama e da grana de uma Thalita Rebouças e com várias editoras pequenas te cobrando pra publicar, é ainda mais difícil lutar, e vindo as chances, não há outro jeito além de jogar parte do jogo “passando pelo inferno pra chegar ao céu”, seja aparecendo no Programa do Jô ou qualquer outra mídia que você pessoalmente deteste, especialmente sendo dono de um estilo mais ou menos original no país, que é essa narrativa que faço, compondo personagens e situações próximas da realidade mas longe de um pau-molismo (que, não obstante, põe mesa) de um Daniel Galera, Paulo Scott e Clara Averbuck. E não, a recomendação não seria espremer suas próprias bolas, extinguindo sua temática, pra agradar o “grande público” – mesmo assim sem garantias de que agradaria, já que os citados são relativamente conhecidos e afamados sim, mas ainda donos duma literatura de nicho.

Enfim, a idéia de Kerouac, que não começou nele, aliás, me ajudou a fazer este Diário do Escritor, que vale a pena ser escrito não apenas para arquivar meus apontamentos, idéias e pormenores em geral acerca das minhas obras, mas para, futuramente, quem sabe, ser útil aos demais que queiram fazer seus próprios livros. De algum modo tenho de ser útil a alguém.

Há uns três anos mantenho uma produção freqüente de histórias, muitas adiadas porque cada vez mais, mais idéias apareceram. A intenção é reuni-las em ordem de urgência de publicação, não de importância pessoal, já que há histórias muito mais interessantes eu deixei de lado, como o drama Não!. E mandei praticamente pro fim da fila o romance Eu Não Estou Bem, que eu trabalhei em 2009 e retrabalhei em 2011. É o trabalho mais ambicioso. Depois disso um livro e uma mini-série em quadrinhos de uma detetive inspirada na Fairuza Balk

Werner Herzog, second from left, director/screenwriter of

e uma trilogia Roman à clef sobre a minha vida. Que pretensão, não? Mas se eu fosse tão pretensioso mesmo, eu jogava logo o Não! e o Não Estou Bem “na pista pra negócio”… Sou um fodido, sem dinheiro!

Eu fiz um cronograma do que publiquei e do que provavelmente será publicado, reunindo títulos potenciais para os próximos dez anos:

O Homem de Lata – Josef é um jovem cineasta carioca, conhecido entre a galera indie, diretor de um filme de sucesso que está prestes a ser divulgado em São Paulo. Paralelarmente, ele aproveita para conhecer uma paquera de internet, Graça, que mais tarde o disputa com Laya, a irmã mais velha e mais esperta.  Publicado pela Editora Multifoco em 2012, tem 372 páginas (Romance), formado 16×32 e ainda está disponível pra compra através de mim. Façam seus pedidos para arneinar@bol.com.br

Juntos Na Noite – Fernando Dantas é um jovem boêmio e metido a engraçado que volta ao Rio após quatro anos trabalhando em São Paulo, e encontra a mãe e a filha na sarjeta após venderem a própria casa a um pastor estelionatário. Ao mesmo tempo em que tenta ajudá-las, Nando passeia em algumas aventuras amorosas, seja com a atleta de luta olímpica Natália Ricci e a explosiva modelo Bia Moreira, conhecida de seu grupo de amigos. Está concluído, estou mandando para várias editoras, mas até agora nenhuma que não me cobre topou publicar. Novela.

Atomização – História de um Acompanhante – Júlio Fontinhas Filho é um nerd miserável, morador de um prédio ocupado, no centro de São Paulo. De tanto ser desprezado pelas mulheres ele tenta aplicar uma última cartada virando uma espécie de acompanhante. Romance.

Agora Podemos Falar Sobre Amor e Morte – Coletânea de 9 ou 10 Contos.

Fogo na Realidade – Em tempos de impeachment e a explosão do interesse político na cabeça dos brasileiros, as histórias de quatro pessoas distintas se entrelaçam: um casal composto por um escritor e uma atriz comunistas decide aproveitar a onda do “Fora, Dilma” buscando vantagens entre os liberais, um desiludido com um movimento anti-Dilma tenta consertar sua vida sozinho, e uma youtuber de 13 anos foge de casa para ingressar num destes grupos – e acaba caindo no mesmo do sujeito que está saindo. Inicialmente, o livro seria uma “resposta” ao romance Habitante Irreal, de Paulo Scott, sobre um desiludido político que sai do PT e encontra uma índia adolescente na estrada. Como achei o livro um lixo, mais pelas oportunidades perdidas, de início quis colocar uma índia neste meu Romance, mas eu já estava bem adiantado, fora que depois não achei justa essa adição. Passei um tempão achando que teria apenas um protagonista, o jovem desiludido, até escrevi umas 250 páginas com ele, mas resolvi dividir a história em três, pra enriquecê-la com diversos pontos de vista.

Marta – Trabalhador solitário de São Paulo rapta uma jovem e a deixa durante anos presa em sua casa, num porão fortificado. Romance.

Sem possibilidade de chorar – História medieval. Reino X é assolado por uma política libertina, por isso, Reino Y o toma. Quem permanece, é obviamente obrigado a aderir ao “novo” estilo de vida, e no meio da bagunça, um camponês procura o irmão mais velho, sem saber que este tornou-se conselheiro do rei do reino invasor, enquanto uma miserável galga o caminho à alta-classe depois que o pai morre e a irmã mais velha desaparece. Romance.

O Urubu-Rei – Sem motivo aparente, sujeito se junta a grupo de seis adolescentes hedonistas do Rio para usá-los e desestabilizá-los. Uma deles, a quieta Neusa Fraccarone, também irmã mais nova do líder, se apaixona por ele. Novela.

Odiadores Irão Odiar – Em São Paulo, o motorista trintão Jorge Junqueira anda com grupo de colegas de internet a festas e eventos, e vira parte de um triângulo amoroso composto por duas garotas distintas em tudo; a tímida nerd Mira e a determinada Lívia, uma simpatizante neonazista. Mira é de classe média-alta do Itaim Bibi, na zona oeste, e Lívia mora em Cidade Tiradentes, bairro pobre e longínquo da zona leste. Novela.

Irmão Paulista – Gabo Monteiro, jovem jornalista gonzo de Niterói, assiste a esposa hippie sofrer sinais cada vez mais fortes de demência; ela também está grávida, o que o faz temer a saúde do bebê. Sozinhos e morando em São Pedro da Aldeia, no litoral fluminense, eles vêem o relacionamento soçobrar com a estada de Michel, o irmão mais novo de Gabo. Novela.

Caixa Preta – Klara Auvinen é uma famosa cantora de música experimental, de sucesso mundial, que decide dar um tempo na carreira, primeiramente criando uma família, e para isso “convoca” Carlos Eduardo Mordrake, sujeito que nunca namorou na vida, por conta de seu defeito congênito na face. Ele, ao contrário do que ela esperava, é alheio à sua fama; tão alheio que não se dá conta da relação de sua parceira com o tráfico de drogas, problema que ela precisa resolver para ter uma vida “normal”. Novela.

Depois do Carnaval – Em 1923, um filho de escravos, recém-casado com Maria Eduarda, uma nobre filha de franceses, a abandona em sua chácara, no Rio de Janeiro (então Distrito Federal) e toma um trem à S. Paulo, a fim de ter uma nova vida. Maria reage incumbindo um detetive para procurá-lo, desconhecendo a gravidade dos problemas internos do próprio contratado. Novela.

Ciranda – Por conta da aposta numa jogatina, o psicólogo Anderson Brum perde a posse do Orfanato Cantinho do Sol para o seu primo, o trintão irresponsável e trambiqueiro Wellington, e, inconformado e prevendo o pior para as crianças, chama a mãe de Wellington para convencê-lo a ceder a posse. Enquanto dono, este é sondado e posteriormente seduzido por uma das internas do orfanato, a interesseira Letícia, de 18 anos. Novela.

Dupla de Idiotas (ou Arruinando Seu Quebra-Cabeças) – A cinqüentona Branca é irmã do escritor cult Paulo Skorski, dado como morto após sumido no Japão, mas, desconfiada que o velho levasse uma vida oculta no Brasil, convoca um ex-aluno de Skorski, o músico Fred Várzea, para procurá-lo no Rio de Janeiro. Do outro lado, Nana Sabádo, filha ilegítima de Paulo, se opõe ao projeto e consegue a atenção de um escritor outrora famoso, o hoje fracassado, beberrão e anti-social Jorge Spina, que mora com a avó, para achá-lo paralelamente. Novela.

Dr. Mauser e Filhos – Como pagamento de uma aposta feita no Mundo Espiritual, três amigos de infância pagam o pato, adquirindo “doenças” bem esquisitas: o primeiro, Júlio, um pai divorciado, é atormentado diariamente pela visão de fantasmas e assombrações diversas. A segunda, a depressiva Joana, atrai para si o risco de morrer, direcionando ao corpo desde automóveis a postes envergantes; a terceira, a descolada Marina, mantém uma contraparte perversa, uma dupla maldosa dela mesma, que só ela pode ver e ouvir. Os três fluminenses simplesmente precisam MATAR certa quantidade de pessoas para se ver livres da maldição. Novela.

Penalidade – Robson Pereira da Silva foi um proeminente zagueiro do Celtic FC, clube escocês, mas matou um hooligan numa briga e, mesmo alegando legítima defesa, levou dois anos de prisão em Edimburgo. Liberto e inicialmente voltando a ser assessorado pela amiga e antiga assistente Jessica Blood, ele desce à sua terra natal, o Rio, a fim de rever os parentes e ver alguns fãs persistentes, ao mesmo tempo seguido pela irmã mais nova do falecido, Bonnie Adams, que planejou matá-lo. Romance.

A Família Orgulhosa – Os Samaras são uma família classe média-alta de gregos radicados no Rio e separados há um bom tempo. Alguns estão brigados, outros definitivamente não prestam, mas Deborah, irmã mais velha, tenta juntá-los mesmo assim. O livro conta, em capítulos alternados em cada membro, a trajetória dos Samaras antes, durante e depois do acontecimento. Romance.

Bananeiros – A epopéia de um indígena em busca de um destino para a própria vida após ver sua comunidade destroçada por drogas, assassinatos e prostituição. Sua trajetória marca a viagem para o Sudeste, trabalhando em subempregos, até ser sagrado pastor evangélico de uma grande igreja neo-pentecostal, em São Paulo, entre abusos e desvantagens deste meio. Romance.

Você Sangra? – A adolescente Cassandra Ramos briga com sua família, foge de casa, é enganada pelas próprias amigas e amarga um tempo como moradora de rua no bairro da Luz, no centro de São Paulo; conhece as drogas, a bebida, é estuprada, e à beira da morte é salva por um(a) desconhecido(a), que a transforma em vampira. Apesar disto, Cassandra tenta viver sobre esta condição como a menina comum de outrora. É um livro dramático, mas diferente do estilo Twilight de vampiros, e sim semelhante aos da literatura mais antiga (Sheridan Le Fanu, Bram Stoker), com vampiros que andam de dia. Romance. Cassandra seria fisicamente inspirada na atriz Hannah Murray,

Hannah_Murray_-_IFFR_2015-1

mas mudei para a também atriz Clara Tiezzi, também atriz e fisicamente mais próxima de uma adolescente real e simples de classe-média brasileira.

 

Talvez mude parte do cenário para o Rio de Janeiro porque em A Família Orgulhosa Cassandra fez uma aparição e interagiu com um dos protagonistas.

Eu Não Estou Bem – No Rio de Janeiro da década de 1910, Sidney Silvestre é um político pop: benquisto pela maior parte da população, usuária de seus projetos sociais, milionário, mantém um séquito de curvilíneas funcionárias e é um boêmio dos mais festejados. É também candidato a prefeito, mas por outro lado, é malvisto pela roda intelectual e religiosa por ser pai solteiro, além das suspeitas de ser um vampiro. Sua última namorada séria, a cantora Amara Vinhedo, se afoga na bebida e ele tenta resgatá-la. Enquanto isto sua cabeça está a prêmio por um ex-amigo, Cristiano Park, um coreano que atravessou o planeta em busca de uma nova vida no Rio. Romance.

Esse foi meu primeiro texto com intenções de livro, mas tive que interrompê-lo por projetos mais viáveis comercialmente para o público JOVEM (o “jovem” que falo é jovem adulto, não juvenil), como os citados acima. Era um calhamaço, estava com 390 páginas na interrupção, e longe de terminar. Tema adulto, e que talvez terá +- 500 páginas. É o meu maior projeto na área da ficção, que terá um grandioso trabalho de pesquisa especialmente focando o Morro do Castelo, antigo acidente geográfico destruído no início dos anos 1920. O primeiro lar dos cariocas, que depois desceram pra chamada “Várzea” (a parte baixa do centro), relegando o Castelo á pobreza extrema e a alta periculosidade. O anacronismo passará longe deste livro.

Depois disso, seria a tal trilogia Roman à clef, com o romance SALDO INSUFICIENTE (podem rir, mas o título faz muito sentido à história), minha vida e observações feitas nessa mudança maldita de cidade. Conforme o tempo de publicação de meus livros talvez só publique este aos 50 anos de idade, isso se não morrer até lá. Toda história pra contar sobre alguns percalços de minha vida (publicadas em parte aqui no blog) tinham de desembocar no lugar certo. O jovem Daniel Apostolou (ou Apostolos) será o protagonista.

Os romances não serão exatamente interligados como o Duluoz Legend de Kerouac, mas terá seu universo compartilhado, então vez ou outra um personagem de, por exemplo, Dr. Mauser pode ser visto em Você Sangra? ou uma garota de Penalidade conversando com alguém de Bananeiros, assim como Cassandra, de Você Sangra?, surgiu em A Família Orgulhosa. Também neste último tinha uma aparição e descrição rápida de Daniel Apostolou, mas se perdeu nos vários textos que fui organizar até completar o livro.

Enfim, é isso. Este é o meu projeto de uma década inteira. Agora preciso formar interessados, que podem se tornar fãs, pessoas que possivelmente, gostando do meu trabalho, poderão me acompanhar pra sempre. E minha intenção é levar literatura de qualidade para as pessoas; por enquanto não tenho apoio algum e um grupo grande que possa me ajudar a levar isto à frente, mas vamos procurar, vamos providenciar isto, vamos deixar nossa marca.

OBS: para comprar o “O Homem de Lata”, clique na imagem da capa, à direita. Faltam apenas 5 unidades!

Um comentário sobre “Diário do Escritor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s