Jack Kerouac – King of the Beats (Barry Miles)

jack-kerouac-king-of-the-beats-barry-miles-8503011492_300x300-PU6e495add_1

Kerouac (1922-1969) sempre rejeitou o rótulo de Rei dos Beats. Nascido na industrial Lowell, em Massachusetts, sofreu com a morte do irmão mais novo, intercalava a dependência da mãe com vida entre os amigos boêmios de Nova York (entre eles Allen Ginsberg, William Burroughs, Neal Cassidy), Continuar lendo

Anúncios

Chappie, Neil Blomkamp e a tua expectativa de merda

chappie-poster

“Neil Blomkamp se redimiu de ‘Elysium’! Eeehh… quem disse?”

É o que provavelmente se ouviu por aí. Não, de onde tirei isso? Só sei que o diretor sul-africano entrou no rol dos cineastas “geniais” que, de uma hora pra outra, começam a capengar, capengar, mostrando-se fajutos (pra uma dúzia de mal amados com expectativa até o rabo, vide alguns cada vez numerosos fãs da Warner/DC e Marvel Studios), daí, desmoronam, peladões de boas idéias, carentes de bom roteiro. O mundo está ficando cada vez mais escroto e frouxo, mas o público está cada vez mais exigente… Esse pessoal pode matar alguém. Metaforicamente, mas pode.

Continuar lendo

Fantástico e a Educação

Fantastico_logo2

Não tive nada pra fazer ontem à noite, e como a galera estava vendo o famigerado Fantástico, fui dar uma olhada. O Fantástico, seguindo o esquema da Globo, é aquele dominical inútil e que fala sobre tudo, desde qual o “look” necessário para o modelo do Australopithecus Afarensis chamado de “Lucy” (eu nunca vou me esquecer dessa porcaria de reportagem), passando pela reportagem do moleque que tem a voz parecida com a do Luan Santana (mas os R$ 5 mi dados ao artista pelo governo, ninguém fala), das caricaturas a pessoas feitas num prédio enorme da avenida Paulista e por aí vai. Também, não podia deixar de ser, jogam suas desprezíveis preocupações ao social como bons moços e perdidos num país injustiçado e miserável por conta do governo.

Continuar lendo