Partículas Elementares e Plataforma [Michel Houellebecq]

Continuando as resenhas dos romances do autor francês Michel Houellebecq, da lida de Submissão até aqui rolou tempo… Apenas dois livros do sujeito deixaram claro os seus maneirismos, as mesmas coisas que usa em tudo quanto é livro, mas apesar disso tanto o premiado Partículas quanto Plataforma têm distinções como a narrativa (em terceira pessoa e em primeira, respectivamente), porém, não difere tanto em sua essência, onde aparecem os maneirismos. Enfim, isso não é tão importante.

731575particulas-elementares

Publicado em 1998, o Partículas enfoca a vida de dois meio-irmãos, Michel e Bruno. Michel é um competente doutor especializado em estudos sobre clonagem (uma abordagem citada em A Possibilidade de uma Ilha, que ainda não li), criado pela avó, cuja morte removeu parte dos sentimentos dele. Tem uma vida acadêmica permeado pelo amor platônico sentido por uma linda garota mas até a vida adulta o personagem corre o livro caracterizado com pouca ou nenhuma atração sexual, nenhum interesse em lidar com o sexo oposto, diferente que ocorre com Bruno; vítima de abuso, presenciava a prostituição da mãe hippie quando criança e posteriormente criado pelo pai e com a mentalidade típica de um perdedor e masturbador compulsivo, desde a juventude pusera o sexo em primeiro lugar. De alguma forma as duas personagens se encontram, batem de frente com os seus propósitos, aliás, a narrativa certinha do filme, com um grande uso de informação tão exata que, a meu ver, parece ter sido tirada diretamente da Wikipédia, joga o verniz sério no romance, e essa seriedade prossegue nos questionamentos sobre a falência da humanidade e etc.

Pra mim, tanto o certinho Michel quanto o hedonista Bruno são pessoas bem feitas que é impossível dizer que um é mais bem explorado que o outro. Contudo, aqui temos os tais maneirismos que permeiam os livros de Houellebecq, apesar de não ter lido todos até agora: ênfase convincente na sexualidade, descrições pornográficas das transas propriamente ditas; orgias, personagens secundários que podiam ser ótimos caso não pautados somente na putaria, como a libertina que encontra Bruno no acampamento onde estão instalados. Isso cansa um pouco e é até difícil de esquecer, como a “morena de seios grandes e pesados” que, sendo chupada, geme grosso e agressivamente. O melhor momento do livro são nos primeiros capítulos, que contam a infância de Michel e Bruno e o que lhes diferenciou um do outro.

plataforma

O Plataforma é de 2001, e conta basicamente a história dum homem comum imerso no turismo sexual do Sudeste Asiático (Tailândia, por exemplo); Michel, funcionário público, vaga por aquela parte do mundo embebidos pela esbórnia  junto a sua namorada Valérie e o executivo hoteleiro Jean-Yves , este gerente da poderosa rede de hotéis Aurora (que, tá na cara que foi inspirada na real e igualmente poderosa Accor); se embrenham até o talo na prostituição, ganhando uma grana tanto bolando clubes de sexo como parte de sua rede hoteleira e… participando de uma série de orgias desde já. Valérie, ex-lésbica e bastante liberada, é quem impulsiona e estimula Michel no bojo; já Jean-Yves, mais comedido, vive um drama pessoal. É, com toda a certeza, um dos piores romances de Houellebecq pelo simples fato de cagar pro existencialismo, pra um norte que guie o livro além de putaria, e putaria, e putaria… Não consegui ver algo além disso, aliás, quando Michel (o personagem) começa a pensar em si mesmo, já tarde demais.

Ah, sim, lembrei, a reflexão sobre a sociedade liberal. É, isso podia fazer Plataforma valer a pena. Também não dá pra dizer que o que ocorre no livro é o que Houellebecq gostaria de ter, especialmente porque, tanto no Partículas quanto neste, há um moralismo escondido, no final de tudo. Tem limites até pra Valérie, que é acostumada a receber bukkake e levar de vários homens ao mesmo tempo.

plataforma

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s